Origem do Homem
 Evolução Humana
 Tempo Histórico
 Períodos da História
 Grandes Civilizações
 Descobrimento do Brasil
 Território Brasileiro
 Três Poderes
 Guerra do Paraguai
 Guerra Fria
 Primeira Guerra Mundial
 Segunda Guerra Mundial
 Revolução Russa
 Guerra dos Canudos
 Revolução Farroupilha
 Inconfidência Mineira
 Laifis de História
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line
 Jogos On-line

 Área dos Professores
 Atualidades
 Profissão Historiador
 Dicionário de História
 História Ilustrada
 Personalidades Históricas
 Resumos

 Curiosidades
 Lendas & Mitos
 Links Úteis
 Datas Comemorativas
 Efemérides
 Hoje na História
 Indicação de Livros
 Indicações de Filmes
 Vídeos
 Textos dos usuários
 Hinos
 Mapas Históricos
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

Carlota Joaquina


Rainha de Portugal e imperatriz honorária do Brasil (1775-1830). É considerada uma das principais articuladoras políticas do reino português.

 

Carlota Joaquina de Bourbon (22/4/1775-7/1/1830) nasce no Palácio de Aranjuez, na Espanha. Filha do rei espanhol Carlos VI, casa-se com o príncipe herdeiro de Portugal ainda menina – ela, com 10 anos, ele, com 16. Logo começam suas desavenças com o marido, que culminariam em conspirações e traições. Em 1805 une-se a fidalgos para derrubar dom João VI, então regente do reino. Descoberta a trama, separa-se dele e passa a residir em Queluz, enquanto ele permanece em Mafra, ambas as cidades em Portugal. No entanto, com o bloqueio continental decretado por Napoleão Bonaparte em 1807, é obrigada a mudar-se com a corte portuguesa para o Brasil, país que renega e chama de "terra de negros e carrapatos". Descrita como "quase horrenda" por diversos historiadores, em 1820 manda matar a mulher de seu amante, Francisco Braz Carneiro Leão, por ciúme. Envolve-se na questão platina como pretendente à direção das colônias espanholas da América, projeto frustrado com a ocupação do Uruguai pelo Brasil. Em 1821, por causa da Revolução do Porto, retorna a Portugal. Recusa-se a assinar a Carta Constitucional e alia-se ao clero e à nobreza para tramar a Conspiração da Rua Famosa, movimento absolutista descoberto em 1822. Como punição, é confinada na Quinta do Ramalho. Após a morte do marido, em 1826, apóia o golpe do filho Miguel contra a rainha dona Maria II, filha de dom Pedro I. Com a derrota de dom Miguel, é presa em Queluz, onde morre.

 

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale conosco

Copyright © 2009-2017 Só História. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.