Origem do Homem
 Evolução Humana
 Tempo Histórico
 Períodos da História
 Grandes Civilizações
 Descobrimento do Brasil
 Território Brasileiro
 Três Poderes
 Guerra do Paraguai
 Guerra Fria
 Primeira Guerra Mundial
 Segunda Guerra Mundial
 Revolução Russa
 Guerra dos Canudos
 Revolução Farroupilha
 Inconfidência Mineira
 Laifis de História
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line
 Jogos On-line

 Área dos Professores
 Atualidades
 Profissão Historiador
 Dicionário de História
 História Ilustrada
 Personalidades Históricas
 Resumos

 Curiosidades
 Lendas & Mitos
 Links Úteis
 Datas Comemorativas
 Efemérides
 Hoje na História
 Indicação de Livros
 Indicações de Filmes
 Vídeos
 Textos dos usuários
 Hinos
 Mapas Históricos
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

Campos Salles


Político paulista (1841-1913). Presidente da República entre 1898 e 1902. Como primeiro-ministro da Justiça da República, institui e regulamenta o casamento civil.

Manoel Ferraz de Campos Salles (15/2/1841-28/6/1913) nasce em Campinas, então província de São Paulo, filho de proprietários rurais cafeicultores. Forma-se em direito em 1863, em São Paulo, e entra na política quatro anos depois, como deputado provincial. Em abril de 1873 é um dos organizadores da Convenção de Itu, que funda o Partido Republicano Paulista (PRP) e define sua posição contra a monarquia e a favor do fim da escravidão. Em 1885 elege-se deputado-geral pelo PRP. Com a proclamação da República, é nomeado ministro da Justiça do governo provisório. Nessa função, institui a obrigatoriedade do casamento civil para que seja aceito legalmente, organiza a Justiça Federal e reformula o Código Penal. No final do governo provisório, elege-se senador por São Paulo (1891). Em 1896 assume o governo do estado, cargo a que renuncia para concorrer à Presidência da República. Eleito em 1898, desenvolve uma política de apoio à agricultura e de valorização do plantio de café, recusando-se a adotar medidas de proteção à incipiente indústria brasileira. Na política externa, soluciona os conflitos de fronteira entre o Amapá e a Guiana Francesa e inicia negociações com a Bolívia para a anexação do território do Acre. Deixa o governo em 1902 e só retorna à vida pública em 1909, para assumir o mandato de senador por São Paulo. Morre na cidade paulista de Santos.

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale conosco

Copyright © 2009-2017 Só História. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.